SETEMBRO AMARELO – Falar é a Melhor Solucão

Muita gente confunde depressão com tristeza, e são situações muito diferentes. A tristeza é um sentimento momentâneo, de duração curta. Pode ser por reação à alguma coisa desagradável que aconteceu, faz parte da natureza humana e é saudável.

A depressão é uma doença e causa transtornos para a vida da pessoa. A tristeza causada pela depressão é desproporcional aos fatos ocorridos. E na depressão, a tristeza vem acompanhada de um conjunto de sintomas: perda do prazer por realizar coisas que antes gostava de fazer, alterações de peso e apetite, alterações do sono, falta de memória e concentração, cansaço, e outros sintomas.

A depressão é considerada a maior causa de suicídio. Cerca de 90% dos casos de suicídio apresentavam quadro depressivo. Além disso, o uso de álcool e outras drogas costuma ser usado como meio de alívio para a angústia.

Outro dado importante, é que, embora as tentativas de suicídio são prevalecidas por mulheres, são os homens que cometem suicídio, cerca de 4 vezes mais que as mulheres.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, cerca de 800 mil pessoas cometem suicídio no Brasil. A cada 45 minutos um brasileiro comete suicídio. São dados preocupantes e alarmantes…

Se você identificar um caso de risco, leve a pessoa imediatamente para um pronto atendimento, não deixe a pessoa sozinha. Remova álcool, drogas, medicamentos ou objetos afiados.

O CVV (Centro de Valorização à Vida) presta apoio emocional através do telefone 141, encontros presenciais e pela internet (www.cvv.org.br). Falar pode aliviar feridas emocionais…  Todos pela VIDA!

Fabíola Chagas – Psicóloga – CRP 08/11316

Para saber mais, assista:

Anúncios

Saúde Mental: Afinal, o que é isso?

Quando falamos em Saúde Mental, muitas pessoas tem a percepção de que somente quem sofre de um transtorno mental severo pode colher benefícios de um plano para melhorar sua vida, que a medicação é a única opção de tratamento e que este tratamento servirá como fator regulador e de contenção das ações vistas como “anti-sociais”.

Aí, você se pergunta: O que eu tenho a ver com Saúde Mental?

Nos séculos passados, a mente e o corpo eram vistos como elementos distintos e muitas vezes antagônicos. Cuidava-se do corpo. A mente, ou era considerada sã, ou doente, e a “loucura” foi por muitos usada para excluir pessoas do ambiente, isolando-as assim da convivência social. Eram desta maneiras silenciadas e privadas de qualquer contato com os demais, colocadas em hospitais de longa permanência (hospícios ou manicômios) para que a família ficasse livre do “problema” causado por aquela pessoa.

Por esses motivos, hoje há uma certa resistência da sociedade em compreender o sentido genuíno da importância da saúde mental para o desenvolvimento humano saudável.

Na atualidade, sabemos que para sermos seres que desfrutam da saúde plena, temos que unir o bem estar físico, mental e social. Inclusive, queixas de dores físicas, em uma grande maioria, está relacionada com desordens e conflitos emocionais, e caracterizam algum tipo de sofrimento mental ainda não revelado ao consciente.

Saúde mental é um completo bem estar. Muitos acreditam que saúde é apenas ausência de doença, entretanto, se ele não apresenta nenhum transtorno mental está saudável. Puro engano. Qualquer sofrimento mental basta para que você precise dar atenção extra à sua saúde mental. Se não foi cuidada, a saúde mental pode trazer riscos à saúde física posteriormente.

Qualquer pessoa pode promover a saúde mental, basta ouvir o próximo, dar um sorriso, dar um abraço, pegar em sua mão… Saúde mental é coisa de Psicólogo e Psiquiatra, sim. Mas sobretudo, é coisa de gente. De pessoas. De família, amigo, médico, enfermeiro, professor… É coisa de todos nós!

FABÍOLA CHAGAS – PSICÓLOGA – CRP 08/11316

 

Para saber mais, assista:

MECANISMOS DE DEFESA DO EGO – Como Lidar com Feridas Emocionais

Todos temos que lidar diariamente com problemas, sejam eles reais ou imaginários. E quando eles aparecem, fazemos uma destas escolhas: enfrentamos essa situação, ou tentamos mascará-las.

Quando o que este problema representa é maior do que conseguimos suportar, nosso ego encontra maneiras de lidar com a situação, utilizando desta maneira, mecanismos de defesa. Esses mecanismos de defesa protegem o ego das feridas emocionais, da angústia excessiva causada por determinadas situações inaceitáveis causadas pela repressão gerada durante a vida. Esse conteúdo angustiante é mandado para o inconsciente, e lá fica escondido e reprimido, tentando escapar através dos sonhos, atos falhos e lapsos de memória.

pedro pauloEnquanto estiver no inconsciente, o conteúdo fica escondido, controlando nossas vidas. Explica, por exemplo, o porque que você tende a agir de determinada maneira sempre que determinada situação acontece. E enquanto não for trazido para o consciente, a tendência é que tudo se repita, criando padrões de comportamentos, angústias, doenças psicossomáticas e transtornos emocionais.

São muitos os mecanismos de defesa usados para manter esse conteúdo no inconsciente. Alguns deles são:

  • Repressão: simplesmeste “esquecer” algo ruim;
  • Projeção: projetar seus sentimentos de culpa ou insegurança em outra pessoa;
  • Regressão: voltar em um estado emocional infantil;
  • Racionalização: tentar explicar racionalmente um mau comportamento.

Um psicólogo conseguirá reconhecer esses e outros mecanismos de defesa usados pelo nosso inconsciente, e consegue ajudar-nos a reconhecê-los e a lidarmos com as situações conflitantes, libertando assim a repressão causada em determinado período de nossas vidas. Com a liberação do inconsciente, os sintomas tendem a desaparecer.

Saiba mais em:

 

FABÍOLA CHAGAS – PSICÓLOGA – CRP 08/11316

INSTITUTO SINCRONIZE  – RUA SIQUEIRA CAMPOS, 136 – SALA 113 – PORTO UNIÃO SC – (42) 3523 4044

Padrões Inconscientes de Comportamento

Muitas vezes nos perguntamos o por que certas coisas só acontecem conosco. Parece que dentro de nós existe um imã que nos puxa para determinado tipo de situação, seja para dificuldades financeiras, conflitos familiares, problemas no trabalho, ou padrões de relacionamentos afetivos. Sempre nos perguntamos o porque de sempre cairmos na mesma situação, e começamos a dizer que temos o “dedo podre”, que “grudamos chicletes na cruz”, que é carma que precisamos resolver, ou deve ser o destino. Pois há uma explicação para esse tipo de situação…

carl_jung_ate_voce_se_tornar_consciente_o_inconsciente_l5e3zppJung, que foi um pensador muito influente para o desenvolvimento da psicologia dos dias de hoje, disse que o inconsciente tende a dirigir a nossa vida até que ele se torne consciente. Isso significa que há certos padrões de comportamento que herdamos de nossos antepassados, ou que um dia vivenciamos e que se tornou eficaz em um determinado momento, e passamos a repeti-lo como verdade absoluta, sem nos questionarmos se ele continua sendo eficaz. Esses comportamentos vem de crenças enraizadas em nosso inconsciente, que permanecem lá, controlando nossas vidas. São chamados de crenças limitantes, e nos impedem de raciocinarmos sobre outras maneiras de resolver os problemas, ou de buscar novas formas de vivenciar situações que se repetem em nossas vidas.

A partir deste padrão de comportamento, as crenças vão se reforçando cada vez mais, desta maneira se tornando mais difíceis de resolvermos. Somente após tomarmos consciência destes padrões é que conseguiremos refletir sobre eles, tomando assim as rédeas da nossa vida, tomando decisões mais claras e condizentes com o que desejamos manter ou mudar em nosso destino. Neste momento, podemos afirmar que a psicoterapia desempenha papel decisivo para quem busca o autoconhecimento…

Para saber mais assista:

 

FABÍOLA CHAGAS – PSICÓLOGA – CRP 08/11316

INSTITUTO SINCRONIZE – RUA SIQUEIRA CAMPOS, 136 – 1ºANDAR, SALA 113 – PORTO UNIÃO SC – institutosincronize@hotmail.com

MINHA PAZ INTERIOR – Oficina Terapêutica

Nos dias de hoje, onde somos julgados pelos nossos resultados, estamos cada vez mais ansiosos, e com mais dificuldade em encontrar a nossa Paz Interior.

Por esse motivo, o Instituto Sincronize está oferecendo uma Oficina Terapêutica, composta de 8 encontros, de frequência semanal, com a duração de aproximadamente 2 meses. Tem como objetivo a busca da paz interior, através de vitrais no processo de arteterapia.

Nesta oficina, serão confeccionados materiais em vidro, com verniz vitral e tinta auto relevo. Além das práticas, será composta também de outras atividades, como técnicas de relaxamento e dinâmicas de grupo, sempre em busca da paz interior e da tranquilidade da mente.

A oficina será encerrada com a confecção de uma mandala em vidro, com modelo e cores à escolha do participante, que poderá ser usado posteriormente para decoração de ambientes.

A técnica usada para a confecção dos materiais será a Arteterapia Junguiana.

Para maiores informações, entrar em contato na página do facebook do Instituto Sincronize.

Janeiro Branco

images (4)1733437687..jpg

Olá meus queridos! Hoje estou aqui para trazer para vocês um pouco do conceito e objetivos do “Janeiro Branco”, campanha ainda muito nova, que vem crescendo a cada ano no Brasil.

O Janeiro Branco é uma campanha que tem como objetivo mobilizar a sociedade em favor da saúde mental, mudando a compreensão cercada de tabus e preconceitos, e promovendo maio acessibilidade aos serviços da psicologia a todos os indivíduos e à sociedade como um todo.

Janeiro é um mês naturalmente terapêutico. Pensamos nas nossas realizações, o que deu e o que não deu certo. O simbolismo da virada de ano nos inspira a planejarmos uma vida com mais realizações e mais coragem na busca dos nossos próprios sonhos.

Por esse motivo estou disponibilizando ações, feitas por mim, e também a serem feitas por vocês no grupo do Facebook que criei para apoio à saúde emocional das pessoas que sofrem principalmente com sintomas de ansiedade, sendo eles acompanhados com outras comorbidades, como Depressão, TOC ou Pânico.

Para quem quiser fazer parte do grupo, deixar sua colaboração em forma de comentários, perguntas ou algum tipo de apoio, clique aqui.

Juntos, por um mundo melhor… Gratidão!

 

Fabíola Chagas – Psicóloga – CRP 08/11316

 

 

COMO SABER SE MEU FILHO ESTÁ USANDO DROGAS?

4-dicas-importantes-que-podem-indicar-se-o-seu-filho-usa-drogas-28-07-2015-08-48-26-2222

De um dia pro outro, o seu comportamento mudou. Começa ter uma vida conturbada, com problemas na escola, no trabalho, no financeiro, conflitos emocionais com a família. São características que precisam ser observadas atentamente, pois são grandes indicadores de alterações que podem estar ligadas ao uso de drogas. Outros sinais sugestivos são:

  • Agressividade – Irritação causada por pequenos motivos, causando crises de agressividade.
  • Isolamento – Afastamento da família, falta de diálogo, quando chega em casa fica vai direto para o quarto.
  • Olhos avermelhados – Algumas substâncias podem causar vermelhidão nos olhos (maconha, cola, álcool, cocaína, éter…)
  • Pontas dos dedos amareladas – O cigarro e a maconha, quando fumados até o final, pode amarelar os dedos.
  • Amizades diferentes – Se afasta dos antigos amigos, e arruma amigos com comportamento estranho.
  • Venda de objetos – Vende os objetos de valor financeiro e emocional (skate, celular, som, as roupas e tênis preferidos…)
  • Alteração da rotina de horários – Troca a noite pelo dia, dorme tarde e acorda tarde também.
  • Apatia – Começa a faltar aulas e trabalho, para de praticar esportes e se desinteressa por atividades saudáveis, cursos e esportes.
  • Desaparecimento de objetos: dinheiro, celulares, joias, aparelhos eletrônicos…

A prevenção é a melhor maneira de livrar seu filho das drogas, pois a dependência química é progressiva, e pode se tornar mortal. A família prestar apoio ao usuário é fundamental, pois a dependência desestrutura o usuário fisicamente, emocionalmente, mentalmente, socialmente, familiarmente e financeiramente.

Dependência química é doença. É preciso aprender a pedir ajuda!!!

FABÍOLA CHAGAS – PSICÓLOGA – CRP 08/11316

Veja também: CONVERSANDO SOBRE DROGAS COM A TURMA DA MÔNICA

 

 

GRUPO DE ARTETERAPIA RELATA VIVÊNCIA EM SITE “SAÚDE É MEU LUGAR”

ARTETERAPIA-1Saúde É Meu Lugar é um projeto que tem como objetivo reunir e divulgar histórias sobre experiências de trabalho em saúde em todo o território nacional. A primeira etapa é uma MOSTRA ONLINE que disponibiliza histórias contadas por profissionais de saúde, publicadas no site da mostra Saúde É Meu Lugar.

Os profissionais do NASF e ESF do Município de Porto Vitória colaboraram com esse trabalho com duas publicações: Um texto sobre a experiência com grupos arteterapêuticos intitulado “Relato da Experiência com Grupos Arteterapêuticos Enquanto Proposta de Trabalho Psicossocial do SUS no Município de Porto Vitória”, o mesmo apresentado na 3ª Mostra Paranaense de Trabalhos de Pesquisa para o SUS, e outra publicação contando a história do desenvolvimento do Projeto Expressão, que conta com dois grupos de trabalho psicossocial com arteterapia. As publicações estão disponíveis no site do evento.

O trabalho psicossocial desenvolvido em grupo no Município de Porto Vitória conta com a coordenação da psicóloga Fabíola Chagas, execução da arteterapeuta Noeli Zamboni Werle, com o apoio da educadora física Ana Carla Skibinski Ferreira e da Equipe da Estratégia de Saúde da Família, representada neste trabalho pelos agentes comunitários de saúde Daymithy Zimmermann Trocha e José Augusto Brixi.

 

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

ARTETERAPIA DE PORTO VITÓRIA PARTICIPA DA 3ª MOSTRA PARANAENSE DE PROJETOS DE PESQUISA PARA O SUS

IMG_20170725_231947382.jpg
Da esquerda para a direita: Noeli Zamboni Werle (Arteterapeuta), Fabíola Chagas (Psicóloga) e Daymithy Zimmermann Trocha (Agente Comunitário de Saúde)

No dia 28 de julho do ano de 2017, a Equipe de Saúde do município de Porto Vitória esteve presente nas dependências do Centro Universitário UNIBRASIL, na cidade de Curitiba, para participar da 3ª Mostra Paranaense de Projetos de Pesquisa para o SUS.

A Agente Comunitária de Saúde Daymithy Zimmermann Trocha,  a Arteterapeuta Noeli Zamboni Werle e a Psicóloga Fabíola Chagas representaram a equipe concorrendo ao 2º Prêmio Inova Saúde Paraná através da apresentação de dois trabalhos científicos: Relato da Experiência com Grupos Arteterapêuticos Enquanto Proposta de Trabalho Psicossocial do SUS no Município de Porto Vitória, e Estudo de Caso: Um Diálogo Entre a Arteterapia e uma Jovem Emocionalmente Instável.

Os trabalhos receberam muitos elogios pela originalidade, e incentivo ao trabalho psicossocial. “Concorremos com grandes trabalhos”, relata Noeli. “Nos sentimos honrados por poder mostrar um pouco da nossa experiência em um evento tão grandioso como este… “ complementa Fabíola.

A Equipe de Apoio à Saúde Mental foi acompanhada até Curitiba pelo Secretario Davi Geisler e pela Coordenadora Regional de Saúde Mental Maria Rosemeide Kimita.

O trabalho desenvolvido no município de Porto Vitória é fruto da união das equipes do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) e Equipe de Estratégia Saúde da Família (ESF).

Para acesso aos ANAIS, clique aqui.

 

Formulário para contato: